fbpx

Estratégias de marketing para e-commerce: como escolher os melhores canais

Estratégias de marketing para e-commerce
6 minutos para ler

Existem inúmeros fatores para tornar o negócio no ambiente digital lucrativo. Comparando com o mercado físico, ter uma loja virtual e não desenvolver ações para trazer clientes é como ter uma loja sem fachada e sem vitrine. Daí a importância de desenvolver estratégias de marketing para e-commerce eficientes e capazes de gerar resultados.

Elas reúnem ações e práticas que permitem atrair, conquistar e fidelizar seu público, a partir da segmentação de conteúdos (pagos ou não) para criar uma necessidade de consumo, desenvolvendo assim um processo natural de compra (e seu acompanhamento durante todo esse caminho).

Mas quais são as melhores estratégias e como escolher os canais certos para alcançar o seu público? Entenda mais no post a seguir!

Quais as principais estratégias de marketing para e-commerce?

12% dos e-commerces brasileiros investem em marketing de acordo com uma pesquisa no Sebrae. O mesmo estudo mostrou que a taxa de conversão é de apenas 1,5%. Mais do que um espanto, esses dados devem mostrar como o nosso mercado nacional pode crescer, se forem adotadas as estratégias de marketing para e-commerce adequadas para o negócio.

Assim como o meio físico utiliza ações que funcionam naquele meio, seu e-commerce precisa se adequar a um público que está na internet (ou está migrando para ela). Vamos às estratégias.

Mídia paga

Refere-se aos anúncios em diferentes canais cujo objetivo é apresentar a loja e seus produtos. Pode parecer simples, contudo, exige planejamento para definir, por exemplo, quais os canais a serem utilizados, quais palavras-chave usar, que público quer impactar (idade, sexo, localização, poder aquisitivo etc.).

Entre os canais mais utilizados

  • Google e outros buscadores;
  • redes sociais (Facebook Ads, Instagram, Twitter Ads);
  • redes de displays (outros sites filiados ao Google);
  • vídeos para YouTube;
  • sites de comparação de preço;
  • Marketplace.

É possível criar anúncios abrangentes e mais segmentados, levando em consideração nichos mais específicos. Os custos podem variar e são definidos de acordo com as possibilidades do negócio. Os resultados são visíveis em curto e médio prazo, contudo, eles duram apenas por aquele período pré-definido.

Marketing de conteúdo

Empresas que adotam o marketing de conteúdo tendem a apresentar resultados 50,6% mais positivos do que aquelas que não utilizam essa estratégia. O marketing de conteúdo entrega informações relevantes para o público-alvo, de forma a cativar e a estreitar a relação com esse público.

69,8% das empresas adotam a produção de conteúdo para blog como principal ação para o SEO. Ele pode ser aplicado em vídeos, descrição de produtos, postagens em blogs e redes sociais, conteúdo de site institucional etc. Praticamente toda a forma de produção pode incluir o uso de palavras-chaves que vão favorecer a busca e o ranqueamento nas principais plataformas, incluindo buscadores, redes sociais, marketplaces, entre outras.

A ideia é gerar conteúdo, ser encontrado pelo público, gerar conversões e fidelizá-lo. Tudo por meio de informações relevantes, capazes de cativá-lo no momento certo. Daí a importância de desenvolver um planejamento pautado nas preferências do seu público e em suas necessidades.

Trata-se de uma estratégia que reflete o domínio da empresa sobre aquele campo. Por meio do conteúdo ele mostra sua autoridade no assunto, apresenta informações sólidas sobre sua área de atuação, demonstra o que sabe, que consegue apresentar uma resposta para a dúvida e soluções para o problema. A partir daí, o público cria uma confiança maior e fica mais próximo de adquirir seus produtos e serviços.

São exemplo de conteúdo que podem ser desenvolvidos:

  • como usar um produto;
  • dicas de como escolher;
  • práticas seguras para comprar pela internet;
  • melhores produtos/ marcas.

Remarketing

Remarketing são as ações em diferentes canais para trazer o público que teve algum contato com o e-commerce. Por exemplo, seu lead visitou a página, saiu e acessou o Google novamente em uma outra ocasião. Seu anúncio estará esperando por ele quando fizer uma nova pesquisa. E não é só no Google, vários outros canais podem “lembrá-lo” que você tem a solução para o que ele precisa.

Entre eles estão:

  • e-mail;
  • buscadores;
  • redes sociais;
  • SMS;
  • plataformas de vídeo e música;
  • redes de displays.

Basicamente são os mesmos canais utilizados pelas outras estratégias anteriores, contudo, o foco são as pessoas que já tiveram algum contato com a marca e que já apresentam um alto potencial de compra em um próximo contato.

A segmentação vai de acordo com o nível em que o cliente em potencial está na jornada de compra, começando pela conscientização até a fidelização no pós-compra. As próprias ferramentas auxiliam criando listas para definir as ações, conforme as atitudes que o visitante teve ao acessar o site.

As listas podem ser criadas com diferentes alvos, que incluem:

  • visitantes unitários (acessou somente uma vez);
  • quem visitou mais de uma vez;
  • quem adicionou produtos ao carrinho;
  • valor gasto;
  • quem acessou as redes sociais;
  • quem assinou sua newsletter etc.

O principal ponto aqui é entender as causas que levaram o cliente não efetuar a compra no primeiro momento e a partir daí definir um plano de ação, segmentar os anúncios mais interessantes para aquele cliente.

Geralmente os e-consumidores que desistem de uma compra, o fazem por estarem apenas pesquisando por produtos ou condições de pagamento, pelo frete ou condições não forem satisfatórias, excesso de formulários, entre outros.

Quando o negócio identifica esses motivos, consegue traçar um plano de ação para evitá-los. O e-commerce pode analisar suas métricas e dados de acesso para entendê-los ou procurar desenvolver questionários. Assim consegue gerar mais resultados em todas suas estratégias de marketing para e-commerce e não apenas de remarketing.

Como escolher os melhores canais?

A escolha dos melhores canais vai de acordo com as demandas do público, suas preferências, hábitos de consumo e os objetivos de mercado. O negócio deve adotar métricas — novamente elas! — para entender quais estratégias estão se saindo bem, quais precisam ser aperfeiçoadas ou melhor serem direcionadas.

Quanto mais certeiras forem as estratégias de marketing para e-commerce, melhores serão seus resultados. Daí a importância de conhecer seu público para conseguir despertar o interesse na sua marca e nos seus produtos. Estabeleça critérios sempre pautados em números e dados, evitando “achismos”, que podem minar seus investimentos e esforços de marketing.

E você, o que tem feito para melhorar suas estratégias de marketing? Entre em contato conosco e saiba como damos suporte às suas decisões para que você obtenha os melhores resultados com suas ações de e-commerce!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-